• denuncias
  • peticionamento
  • Mediação
  • mov procedimentos
  • autenticidade de documentos
  • administracao publica
  • fraudes trabalhistas
  • liberdade sindical
  • meio ambiente
  • promocao igualdade
  • trabalho escravo
  • trabalho infantil
  • trabalho portuario
  • lista suja
  • arte agrotóxico
  • chega
  • integrada
  • agrotoxico
  • Convite site
  • 1
  • São jose
  • teste
  • UrnaEletrnica
  • Forum II
  • Forum II
  • Portal do MPT agora conta com Lista Suja do Trabalho Escravo
  • Dia mundial da luta contra os agrotóxicos contará com evento no auditório da Procuradoria Regional do Trabalho da 23ª Região
  • Ministério Público do Trabalho em Sinop participa da Etapa Nacional do Prêmio MPT na Escola 2018
  • Ação Integrada: Projeto capacita 16 alunos em situação de vulnerabilidade social no curso de Operador de Máquinas Agrícolas
  • IFMT firma parceria com MPT para implantar projeto de fazenda agroecológica
  • O Fórum de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos da Região Sul de Mato Grosso realiza Seminário em Rondonópolis.
  • Procurador-Geral do Trabalho recebe homenagem com a insígnia da Ordem São José Operário
  • Instituições são contra proposta de extinção ou fusão do Ministério do Trabalho
  • Procurador-Geral do Trabalho receberá Comenda da Ordem São José Operário no TRT-MT
  • Servidores são homenageados pelo MPT em Mato Grosso
  • MPT obtém liminar para impedir frigorífico de demitir trabalhadores que participaram de greve
  • Alunos da Escola Ulisses Guimarães dão show em apresentações sobre trabalho infantil e racismo
  • MPT recomenda que empresas de Cuiabá não influenciem voto de funcionários​
  • MPT sedia reunião do Fórum Mato-Grossense de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos
  • Justiça do Trabalho concede liminar em ação do MPT para coibir assédio eleitoral em empresas de Sinop
  • Usina de Jaciara é condenada em cinco ações do MPT e pagará no total R$ 1,3 mi por danos morais coletivos
  • JBS de Colíder pagará R$ 1 mi de indenização por danos morais coletivos e dumping social
  • Grupo econômico familiar de MT é condenado a pagar R$ 6 milhões por trabalho escravo
  • Prorrogadas as inscrições para o Prêmio MPT de Jornalismo 2018
  • MPT em Quadrinhos: nova edição aborda os 30 anos da Constituição
  • Trabalhadores do Ceará transportados em baú de caminhão são resgatados em Sinop
  • Hospital Regional de Colíder firma TAC com MPT e se compromete a combater assédio sexual no ambiente de trabalho
  • Frigorífico é condenado a construir creche e a pagar R$ 500 mil por danos morais coletivos
  • Nota de Repúdio ao Pacote do Veneno
  • Resultado de pesquisa na Bacia do Juruena é divulgada em reunião do Fórum Mato-Grossense de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos

Nota à imprensa

MPT e ANPT repudiam manifestação de desprezo institucional e preconceito contra os direitos sociais dos trabalhadores brasileiros.

27/08/2018 - Em nota divulgada ontem, 26, o Ministério Público do Trabalho (MPT) e a Associação Nacional de Procuradores do Trabalho (ANPT) repudiam manifestação de desprezo institucional e preconceito contra os direitos sociais dos trabalhadores brasileiros.

Nota à Imprensa

A imprensa repercutiu manifestações do candidato à presidência da República Jair Bolsonaro que, em campanha no interior de São Paulo, teria se referido à atuação do Ministério Público do Trabalho (MPT) como um entrave ao desenvolvimento econômico do país. Segundo afirmação atribuída ao candidato, “um país que tem um Ministério Público do Trabalho atrapalhando não tem como ir para frente”. 

Com essas afirmações, o candidato demonstra descaso com uma das mais importantes conquistas do processo de redemocratização do país. A partir da Constituição de 1988 o Ministério Público do Trabalho foi incumbido da defesa dos direitos fundamentais sociais relacionados ao trabalho, desenvolvendo uma rica trajetória de atuação no combate ao trabalho escravo e ao trabalho infantil, na defesa do meio ambiente do trabalho e do concurso público nos entes estatais, no combate à discriminação e às fraudes no mercado de trabalho e na promoção da liberdade sindical, dentre outras tantas ações de relevante cunho social.

É inadmissível que a atuação social eficaz do MPT seja alvo de ataque por um político descrente do projeto constitucional democrático, que se encontra no exercício de mandato parlamentar há quase 30 anos na Câmara dos Deputados. Nesse mesmo período, o Ministério Público do Trabalho dedicou sua atuação à promoção de melhores condições de trabalho, com respeito igualitário à participação de mulheres, negros, homossexuais, pessoas com deficiência e outras minorias no mercado de trabalho; atuou pela erradicação do trabalho escravo e do trabalho infantil, com vistas à superação do triste histórico brasileiro de desigualdade social; defendeu o regime de emprego e a negociação coletiva como instrumentos de proteção social e zelou pela prevenção de acidentes e adoecimentos no ambiente de trabalho, devotando sua atuação aos mais elevados ideais humanitários e democráticos que inspiraram o Constituinte de 1988.

Exemplo de atuação vitoriosa do MPT poderia ter sido observada pelo candidato Jair Bolsonaro, em sua passagem pelo interior do estado de São Paulo, quando visitou o Hospital do Câncer de Barretos, entidade recentemente beneficiada pelo MPT com a destinação de R$ 70 milhões para construção e equipamento do Centro de Pesquisa Molecular em Prevenção de Câncer, que permitirá a pesquisa para o tratamento de vítimas da doença em decorrência da exposição a agentes cancerígenos no ambiente de trabalho.

O conhecimento e as reais intenções do sr. Jair Bolsonaro são postos em dúvida quando se refere a reclamações que lhe teriam sido transmitidas por um piscicultor da região de Catanduva e que não guardam qualquer relação com as atribuições do MPT. 

Estivesse o candidato informado e bem intencionado sobre a atuação do MPT, quando de sua visita àquele estabelecimento de saúde, saberia que esses recursos são provenientes de ação ajuizada em face da Shell, em cuja fábrica de agrotóxicos (Paulínea-SP), posteriormente vendida para a Basf, a exposição a produtos cancerígenos vitimou mais de 60 ex-empregados. Nesta ação, firmou-se acordo judicial que garantiu atendimento médico vitalício a outros 1.058 trabalhadores vitimados. 

A Constituição e a Lei Complementar 75/1993, que disciplina as atribuições do Ministério Público do Trabalho, lhe garantem instrumentos de atuação institucional que, não raro, atraem a ira de parcela do poder econômico sem compromisso com os direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça no ambiente de trabalho, como valores de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos. Lamentável é que reação dessa natureza provenha de candidato à chefia de Estado, a quem incumbe a defesa do Estado Democrático de Direito.

O Ministério Público do Trabalho e seus mais de 700 membros em todo o Brasil, ao tempo em que repudiam a manifestação de desprezo institucional e preconceito contra os direitos sociais dos trabalhadores, expressada pelo candidato Jair Bolsonaro, exortam os candidatos à presidência da República ao debate elevado sobre medidas de promoção do pleno emprego e do trabalho decente, com vistas à construção de uma sociedade livre, justa e solidária que, garantindo o desenvolvimento nacional, erradique a pobreza e a marginalização e reduza as desigualdades, para que seja promovido o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação, em sintonia com os ideias da Constituição de 1988.
        

RONALDO CURADO FLEURY
PROCURADOR GERAL DO TRABALHO

HELDER SANTOS AMORIM
VICE-PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROCURADORES DO TRABALHO
 

Imprimir

  • banner abnt
  • banner transparencia
  • banner pcdlegal
  • banner mptambiental
  • banner trabalholegal
  • banner radio
  • Portal de Direitos Coletivos